jo

Tempos da Restauração

“Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai amará e viremos para ele e faremos nele morada. Quem não me ama, não guarda as minhas palavras”. – Disse Jesus. João 14:23,24.

 

“Arrependei-vos pois e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados e venham assim os tempos do refrigério pela presença do Senhor, e envie ele a Jesus Cristo que já dantes vos foi pregado, o qual convém que o céu contenha até aos TEMPOS DA RESTAURAÇÃO DE TUDO, dos quais Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas desde o princípio” Atos 3:19:21.

 

Restauração é o restabelecimento de alguma coisa em seu estado primitivo. É a recolocação de alguma coisa em seu lugar próprio e a sua reposição no seu primeiro estado. É a reparação do vício ou falta em que a coisa se encontrava. Restauração não é renovação, pois o mal pode ser renovado. Dá-se vida a uma serpente prestes a morrer. Restauração não é suprimento, pois suprimento é provimento da omissão de muita coisa que pode está errada.

 

Restauração é a reconstrução tal como deveria ter sido feita originariamente.

 

Biblicamente falando, haveria um tempo em que todas as coisas seriam restauradas, postas nos seus devidos lugares, reconstruídas conforme o modelo, o desejo e a vontade de Deus.

 

Restauração é tempo e época, mas é também obra e realização.

 

Estamos vivendo estes tempos bíblicos.

 

A mudança do tempo é fato comprovado, nesta geração.

 

Os tempos da restauração de tudo começaram com a RESTAURAÇÃO DO ESTADO DE ISRAEL. Em Isaías 11:12, lemos: E ajuntará os desterrados de Israel e os dispersos de Judá congregará desde os quatro confins da terra; Isaías 14:1 “Porque o Senhor se compadecerá de Jacó e ainda elegerá a Israel e os porá na sua própria terra”; Jeremias 16:15 “Vive o Senhor, que fez subir os filhos de Israel da terra do norte, e de todas as terras para onde os tinha lançado; porque eu os farei voltar à sua terra, que dei a seus pais”; Jeremias 32:37-38 “Eis que eu os congregarei de todas as terras para onde os houver lançado na minha ira, e no meu furor, e na minha grande indignação, e os tornarei a trazer a este lugar, e farei que habitem nele seguramente. E eles serão o meu povo e eu serei o seu Deus”.

 

Tais profecias estão se cumprindo de maneira gloriosa.

 

A 29 de NOVEMBRO de 1947 a Assembléia Geral da ONU, presidida pelo embaixador brasileiro Oswaldo Aranha, aprovou o relatório da comissão especial de estudos sobre a Palestina, recomendando a criação na região, de um Estado judeu. Os árabes descordaram de tal projeto e atacaram em grande escala a Palestina. As forças defensivas dos judeus (Haganá) organizaram a resistência e em abril de 1948 obtiveram grande vitória militar sobre os árabes. No dia 14 de MAIO de 1948 o Conselho Nacional Judaico e o Conselho Geral Sionista proclamaram a criação de um Estado judeu a ser chamado Israel, que de imediato foi reconhecido pelos Estados Unidos e pela Rússia, cumprindo-se assim a Escritura de Isaías 66:8 “Quem jamais ouviu tal coisa? Quem viu coisa semelhante? Poder-se-ia fazer nascer uma terra num só dia? Nasceria uma nação de uma só vez? Mas Sião já esteve de parto e deu à luz seus filhos”.

 

Estava inaugurada a Restauração de tudo, sobre a face da terra.

 

Lucas 21:24 nos diz que Jerusalém seria pisada até que os tempos dos gentios se completem (tempos de domínio gentílico sobre Jerusalém). Na Guerra dos Seis Dias, a outra parte da famosa cidade, dominada pelos árabes, caiu na mão dos judeus, aos 7 de JUNHO de 1967. mais um marco glorioso dos tempos da restauração de tudo.

 

Mas o trecho nos fala de “tempos da restauração”. Está no plural. Não vinte e quatro horas, mas várias fases, épocas, períodos e etapas restauradoras. Vejam as datas. A restauração do Estado de Israel foi ao dia 14 de MAIO de 1948 mas Jerusalém só foi em 7 de JUNHO de 1967, quase vinte anos depois. Etapas diferentes do mesmo processo restaurador.

 

A Igreja do Senhor Jesus Cristo não poderia escapar a esta Obra gloriosa, de caráter universal, por ser parte integrante do mesmo e por ter permitido a apostasia – que é o desvio e afastamento do ensino e da doutrina bíblica; e, ter abraçado conceitos, ensinos, práticas e tradições humanas, maculando assim a beleza do cristianismo primitivo.

 

Após o início da Restauração do Estado de Israel, Deus começou a Restaurar a sua Igreja. Em Agosto de 1962, Deus falara, usando vaso profético: “A minha Igreja é UMA SÓ”; “Não é denominação que vale, registra agora  – é o SANGUE DO MEU FILHO. Onde está outro fundamento?”; – É RESTAURAÇÃO!; É completa a RESTAURAÇÃO.

 

Deus decretou assim a Restauração no meio do seu povo, para a sua Igreja.

 

Pr. Elmir Guimarães Maia

Envie para um amigo





Envie para um amigo